quarta-feira, 18 de novembro de 2015

15/11/15 - ASIAN KUNG-FU GENERATION

O dia mais feliz da minha vida.
(Essa será a maior postagem desse blog, e provavelmente a última.)

Por mais que eu não goste de ir na liberdade para comprar coisas de otaku, gosto de simplesmente caminhar pelo local. No sábado, após esperar por um BOM tempo sozinho pelos guris que compraram passagens para o aeroporto errado, pegamos um táxi até o hotel onde nos hospedamos. Deixamos nossas mochilas nos quartos e fomos para a liberdade. Era bem próximo, acho que uns 10 minutos de caminhada até a estação da liberdade. (ps: eu sempre fui bom em esperar pelos outros né ?! x_x)

Na verdade, o sábado pouco importa então não irei falar mais dele. Afinal, a postagem fala sobre o dia 15 e não 14.

Vamos para o dia 15...

Acordamos, almoçamos, preparamos sanduíches e fomos para o local do evento. Estávamos no centro e precisávamos chegar na antepenúltima estação em sentindo zona oeste. Tínhamos um mapa do google e um pacote de dúvidas, mas no fim das contas conseguimos chegar com extrema facilidade, para a nossa felicidade.

O local do show se chama Carioca Clube e na frente dele tu encontra diversos anúncios de shows de pagode e samba que ocorrem semanalmente no local. Todos estranharam, mas já era sabido que não se tratava de uma casa de rock, mas sim uma casa com um bom espaço. Já tinha um pessoal na fila quando chegamos. Chegamos em torno de 14:15 e os portões abririam as 18h.

Era em torno de umas 16h. Fomos em um bar na esquina comer e de repente um amigo que estava na fila foi no bar nos avisar que pediram para o pessoal arrumar a fila e que provavelmente os membros da banda estavam por chegar. Saímos do bar e para nossa sorte o segurança da casa do show já havia colocado as grades para formar um corredor para que eles passassem. Ficamos presos entre 6 pessoas com um espaço imenso enquanto todos os outros que estavam na fila se aglomeraram em um espaço pequeno. Graças a isso, consegui tirar fotos e ver bem de perto a passagem das maiores pessoas que habitam esse mundo.

Esperei com meus amigos por mais 3 horas. Fizemos amizades com dois caras do paraná e um cara do Rio que acabaram por assistir o show conosco e foi muito massa.

Entramos às 18h. Acho que tinha pouco mais de 20 pessoas na minha frente, mas parecia que a fila nunca andava e que nunca chegaria minha vez de entrar. Quando percebo, já estou dentro da casa de shows, muito em frente ao palco. Também percebo que aquele será o lugar onde ficarei para assistir a apresentação mais esperada da minha vida. Um cara do começa a gritar meu nome e reparo que é o will. Ele queria me dizer que estavam vendendo GOODS oficiais da Turnê lá no fundo. Quando chego lá encontro a última camisa branca e entro em uma batalha pela vida para chamar a atenção do cara que estava na banquinha... Quando acho que não conseguirei mais comprar a camisa que queria.. o cara olha pra mim e joga o pacote no meu peito. Saí correndo em direção aos meus amigos e troquei de camiseta. Poucos minutos depois disso o show começaria...

Entre 18:40 e 19:00 vivi os 20 minutos mais longos de toda a minha vida. O tempo simplesmente não passava ! E eu queria muito ver os caras no palco !

Os caras entraram no palco às 19:01. O público enlouqueceu. Eu enlouqueci mais ainda. Parecia que meu corpo inteiro iria explodir. Começaram o show com Easter e depois engataram Little Lennon (músicas do último álbum). O volume estava um pouco baixo, mas a sensação era inacreditável. Na sequencia tocaram After Dark  Lembro exatamente que estava gravando o último refrão de After Dark e quando acabou eu ameacei guardar o celular no bolso, eis que o Yamada tomou a frente do palco. Era o solo do baixo. Só poderia ser Haruka Kanata ou Sore dewa, Mata ashita. Fiquei gravando para ter pelo menos o inicio da próxima música... Era a sore dewa para loucura de praticamente todos que estavam ali. A música é tema de um filme do naruto (Road to Ninja). O triste foi que eu percebi que já era a quarta música do show e que o final podia estar perto. Haviam me dito que eles fizeram um show com pouco mais de 13 músicas em algum lugar. O que era um tormento para mim.

Depois tocaram 4 músicas que eu não gosto muito, mas tinha praticamente certeza que iria ouvir no show. Senseless, N.G.S , Re:Re e Uso to Wonderland. Curti as 4, principalmente Senseless que era a que eu menos curtia dessas. Pulei pra cacete, gritei e comecei a sentir a voz indo embora. Quando então começam a introdução de Siren. Olhei pro lado e uma menina parecia não acreditar no que estava acontecendo, eu também não acreditava e ali começava a luta contra as lagrimas. Consegui gravar um pedaço da música, mas o mais importante ta gravado na minha mente. O coral que fizemos enquanto cantavamos foi simplesmente algo que visivelmente mexeu com os membros da banda. <3 p="">
Quando Siren acabou, faltavam mais 3 músicas para fecharem em 13. Pensei que o show já tinha valido a pena e que poderiam fazer o que quisessem... Tocaram Mugen Glider e eu recordei de quando ia para escola no primeiro ano do ensino médio ouvindo essa música. Na sequencia tocaram uma das poucas músicas que eu não gostava, Blackout, no entanto eu passei a amar essa música depois do show !

Vieram com Blue train e eu fiquei igual uma criança admirando a facilidade que eles tem em tocar uma música tão difícil. E na sequencia veio Night Diving que é simplesmente demais !

Aru Machi no Gunjou é a música preferida do Teru e essa foi a 14ª  música do show. Pensei que eles estariam terminado o show com ela. E que o teru ficaria muito feliz com isso, mas não. Eles foram muito além disso ! E eu gritei igual a uma menina durante toda essa música. Ainda quando todos aplaudiam fizeram um improviso muito foda para puxar a música seguinte. Para mim Marching band era uma das piores músicas da discografia deles, mas ficou tão foda que eu me apaixonei demais pela música. Até darei um favorite no last.fm  hahahhah .

Ima wo ikite foi a número 16 e essa eu nem sei cantar. Só acompanhei com um leve cansaço. Serviu para guardar minha voz para alguma música pauleira que poderia estar por vir, pois eu sabia que não poderia acabar o show com uma música bosta.

Eis que vieram 4 músicas que fizeram o com que as estruturas do Carioca Club tremessem. Começou com Standart. Essa música me pegou em um momento do ano de 2014 em que nada mais me interessava. Eu estava bem, mas não sentia prazer em nada, nem mesmo gostava de ouvir música, pois achava que as bandas só tinham lançamentos ruins e que ouvir as coisas antigas não era mais algo que me agradava. Quando começaram a tocar Standart, parecia que meu coração, meu pulmão, meu diafragma... tudo sairia pela boca. Foi algo sensacional ! Até gravei um pedaço. Um cara me abraçou pra cantar e eu só conseguia dizer que ia chorar. No video dá para ouvir isso hahahahah

Na sequencia vieram Rewrite, Haruka Kanata e Solanin. Não preciso nem comentar o que aconteceu. O público deu um show tremendo. Em rewrite e Haruka Kanata o coral foi uníssono e o pessoal começou a subir no palco para se jogar. Os caras da banda ficaram rindo durante isso e o pessoal já estava completamente sem voz, inclusive eu que só pulava para não ser pisoteado por quem pulava.

Em solanin eu chorei. Chorei mesmo, de soluçar e sentir que estava suando pelos olhos. Foi lindo demais. Todas as pessoas gritando do fundo do coração. Acho que metade das pessoas estavam chorando. Um cara olhou pra mim e disse: "Cara, tu queria muito ouvir essa música. Pode chorar velho !"  e me deu um abraço. Eu não queria parar de chorar abraçado no ilustre desconhecido. Naquela altura, eu queria que essa música fosse a última do show. Foi o momento mais bonito que já vivi na minha vida. Eu lembrei das mensagens que me enviaram mandando eu curtir ao máximo, lembrei das pessoas que conviviam comigo e que por algum motivo não estão mais por aqui, lembrei de mim mesmo. Enfim... E Foram tantas coisas bonitas, que até mesmo o vocalista se emocionou quando viu que metade das pessoas na frente do palco estavam chorando e fazendo um coral de ô ô ô. Só de lembrar disso eu já estou arrepiado e prestes a chorar.

Quando Solanin terminou, metade de mim estava totalmente satisfeito e esperando que o show acabasse assim, só para sentar e chorar um pouco. Outra metade queria que tocassem por mais 2 horas, mesmo que ficasse tarde para voltar para o hotel. Já eram quase 21:00 e eles puxaram Wonder Future para delírio de quase todo mundo que estava presente. Eu particularmente acho uma música mediana e já estava cansado. Só gritava o refrão da música com o resto da massa enquanto tentava me recuperar do efeito Solanin.

Quando Wonder Future acabou e as luzes ascenderam foi um CAOS ! Eles já tinham tocado 21 músicas, mas ninguém queria ir embora. Todos queriam mais e começaram a gritar o nome dos integrantes. Depois gritávamos por Ajikan e por último (e mais engraçado e besta) gritamos a seguinte frase: ô Ajikan ! Cadê voce ? Eu vim aqui só pra te ver! Nisso os Roadies voltaram para o palco rindo e tirando os instrumentos. De repente eles param o que estão fazendo e buscam outros instrumentos. As luzes apagam. A banda volta ao palco com um frisson enlouquecido de todos nós.

Gotch é um cara muito tímido, ele comentou que mesmo sem sabermos falar japonês, nós cantamos todas as músicas e que achava isso emocionante. Ele interagiu bastante conosco, mas poucas vezes foi bem compreendido.

Quando eles voltaram para o palco, o pessoal do fan clube colocou umas mascaras iguais a de uma dançarina que aparece no clipe de Mirai no Kakera. A mascara tem uma caricatura engraçada da cara do gotch gritando e isso foi crucial durante a volta deles para o palco. A primeira música que eles tocaram foi Loop & Loop e logo no começo o baterista errou. Eles pararam a música e começaram novamente. A platéia nem se importou com o erro que tinha acontecido.

Kimi to iu hana foi a seguinte e quando ela começou eu saí correndo para a direção do Teru e do Will que estavam na pista comum para abraça-los. Não parei de cantar em nenhum momento. Essa música ela é muito importante para mim. Por mais que seja uma letra que fale de uma forma de amor juvenil, foi a música que serviu como uma quebra de tabu para mim e talvez seja a música que retrate o retorno da nano dreams para mim. Também foi a música que eu cantava quando reencontrei uma pessoa que eu não via a mais ou menos 4 anos e que acabei por errar quase toda a letra por conta disso. Essa música foi uma explosão de felicidade. Por mim qualquer coisa que viesse depois já era lucro até o Goto se divertia, era nítido na cara dele ele cantou uma parte errada na música que a platéia acabou por continuar com o erro. Isso fez com que eles rissem pra caramba enquanto tocavam.

Kimi to iu hana acabou e eles se reuniram no meio do palco. Foi aí que eles decidiram tocar MIRAI NO KAKERA !  O Gotch disse algo do tipo:
Já que vocês estão com essa máscara do clipe, nós iremos tocar essa música para vocês. Eles fizeram shows na alemanha, na frança, na inglaterra, no chile e só no Brasil e muito provavelmente só aqui farão algo do tipo.  Essa música sempre foi a última do set list da minha banda e sempre que toco ela, fecho os olhos nos últimos acordes pensando em alguém. Sempre desejo o bem e a felicidade dessa pessoa. Também sempre lembro de como começamos a banda e de como poderemos ir longe caso venhamos a pensar no futuro pouco a pouco. Ajikan me faz refletir muito xD

Mirai no Kakera parecia ser a última música. Uns choravam, outros se abraçavam sorrindo, outros se jogavam do palco, outros até mesmo ficavam estáticos com uma cara de quem estava cansado,mas que não estava acreditando. Acho que essa e Solanin foram as músicas que o pessoal mais gritou, mesmo sem ter voz e estando EXTREMAMENTE cansados.

As luzes do local se ascenderam e eles tocaram Opera Glass. Acho que o pessoal da produção não deve ter entendido ao certo o que estava acontecendo. Eu também não, mas estava radiante. Eu acho que estava em um estado tão eufórico que já estava imaginando que o show não acabaria nunca mais. Opera glass já era a 25ª música do show. Acho que nem em um DVD o show tem tanto tempo de duração ! Mas foi aí que o sonho acabou. 25 músicas, mais ou menos 2h30 de show. Um cansaço sem limites e uma alegria jamais desfrutada. Meu dia ainda tinha a promessa de mais emoção, mas eu nem imaginava que algo poderia acontecer e que me fizesse sentir melhor.

O pessoal da produção informou que os caras simplesmente adoraram o público e que estavam muito contentes com o show. A principio só iria rolar um aperto de mão breve com os caras da banda, mas que eles se disponibilizaram para autografar itens para todos que estavam na pista vip. Eu sinceramente não acreditava em mais nada. Só queria que me acordassem do sonho, mas não era sonho. Era pura verdade ! Fiquei pouco tempo esperando por eles e ainda consegui cumprimentar um por um. Me apresentei como um fã completamente abobado para o Kita, na sequência estava sentado o Goto e para ele eu disse que Rewrite havia mudado a minha vida. Ele me perguntou se eu estava falando a verdade e eu disse que sim, ele me agradeceu e ficou sorrindo, até comentou algo com o Kita, mas eu não entendi. Apertei a mão dele e fui para o yamada. Aliás, eu sempre achei o Yamada meio estranho, caladão demais, mas na verdade ele é um cara muito engraçado e todos que passavam por ele acabavam rindo de algo. Comigo ele ameaçou riscar a camiseta inteira e de fato ele meio que fez isso. Ainda falei alguma besteira sobre instrumentos com ele e sai para o próximo. O Kiyoshi (ijichi) foi o último, mas eu apenas passei a camiseta para ele e agradeci pelo show. Para mim esse momento levou horas, mas na verdade acho que levei menos de 1 minuto falando com eles.

Enfim, o show acabou, voltamos para o hotel e no dia seguinte voltamos para Porto Alegre, onde as pessoas são chatas e a cidade é tediosa. São poucas as coisas que me fazem acreditar que quero morrer aqui. Mesmo sendo que depois desse final de semana, acho que poderia morrer a qualquer hora e em qualquer lugar.

#np Ajikan -  Eternal Sunshine

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Standart

Acredito que o ritmo de algumas pessoas estão impedindo-as de alcançar o seu maior nível quanto ao seu desenvolvimento natural como ser humano. E um desses ritmos errados era o meu. Talvez por teimosia, talvez por medo de desistir da insistência como característica, me mantive no caminho errado, mas acho que em um dia como hoje, acordei e vi que estava apenas me jogando pelo caminho errado. Não acredito que ainda tenha como recuperar todos os danos que causei para mim mesmo, mas não custa nada tentar. Afinal, já tentei tanta coisa que agora penso que tentar ser alguém melhor não será a batalha mais difícil.

#np Standart - Asian Kung-Fu Generation

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Satisfação / Insatisfação

Já faz um bom tempo que não recorro para este lugar. Confesso que senti vontade de vir até aqui em vários momentos. Momentos em que senti saudades, momentos em que me senti sozinho, momentos em que tive idéias e até momentos de euforia e êxtase. Não sei por qual motivo eu não consegui vir e escrever aqui, mas agora senti vontade e cá estou.

Atualmente venho vivido da forma que sempre quis viver. Tendo tempo, um pouquinho de dinheiro (bem pouquinho,mas o suficiente para viver) e tocando com a minha banda. Essa vida sem rotina tem feito com que eu estacione na vida e isso é muito estranho. No começo eu conseguia sonhar, arquitetar planos e pensar alto. Agora sinto que só quero viver o dia para que ele se acabe e comece o próximo. Sinto que pouco a pouco tenho entrado em um caso de desinteresse por tudo.

Porto Alegre se tornou o pior lugar do mundo para mim. Tenho medo de ir a pé para qualquer lugar que tenha uma distância maior do que 50 metros do meu condomínio. E o pior de tudo é que isso se tornou algo que eu tenho vergonha em conversar com alguém e que me priva de sair de casa. Não há nada para fazer. Quanto mais ando na rua, mais preocupado fico.

Tenho visto a vida de vários amigos de um ângulo suspeito. Eles estão desabando em diversos pontos e eu estou tentando segurar tudo isso. Eu já fiz muita bobagem em momento de desespero e não quero que meus amigos venham a fazer tais coisas, mas o peso do mundo tem me empurrado novamente para baixo e eu me sinto prestes a explodir em diversos momentos durante os meus dias e as vezes por motivos fúteis.

Com a minha banda as coisas vinham dando certo, mas em um determinado momento durante este ano estive prestes a jogar tudo pro ar. Talvez estivesse com a cabeça quente, talvez estivesse me sentindo sobrecarregado por ser o único a negociar assuntos de interesse da banda (shows, caches e etc...), mas após pensar melhor e analisar o ritmo em que estamos, percebi que não vale a pena desistir de fazer a única coisa que eu sempre quis fazer com meus amigos.

Graças a Deus e aos nossos esforços, em 9 meses deste ano tivemos 8 shows em nossa agenda. Cada show com o seu aprendizado e que por vim veio a nos fortalecer em diversos aspectos. Desde a organização do nosso tempo no estúdio, como a forma de nos posicionar no palco, como equalizar o som e regular volumes, periodos de improvisação e etc...

Mas enfim, para terminar, nosso último show foi em uma festa, a Asian Matsuri e foi sensacional, rolou uma espécie de lavagem de alma para todos da banda e agora temos mais 2 shows na agenda. Acredito que estes serão os nossos últimos 2 shows neste ano, sendo que o próximo show (anime buzz) será provavelmente o último em Porto Alegre. Fecharemos a turnê com a nossa primeira viagem para fora da região metropolitana, em Pelotas. Com essa pausa, cada um poderá se voltar para suas prioridades. Namoradas, estudos, familia, esportes... essas coisas também merecem um tempo.

Enfim, acho que era isso que eu tinha para falar hoje. Fica o registro de todas as nossas datas neste ano. E com uma data em aberto, pois nem mesmo os organizadores possuem certas sobre. Provavelmente não irá toda a banda, mas farei parte da representação.

Mirai no Kakera ~ Fragments of Future Tour

22/03 - Domingueira J-Rock / Signus pub (Porto Alegre)
04/04 - Anime buzz / Casa do gaúcho (Porto Alegre)
19/04 - IFComic / IFSul (Sapucaia do Sul)
07/06 - Adventure festival / Sociedade Ginástica (São Leopoldo)
13/06 - I Anima Você / Canoas
11/07 - Asian Matsuri / Open Club (Porto Alegre)
15/08 - Anime Buzz / Academia da Brigada Militar (Porto Alegre)
06/09 - Anime Bomb / Pelotas

14/11 - MICRO MUGEN FESTIVAL BRAZIL - PRÉ ASIAN KUNG-FU GENERATION,

PS: Ah... e muito se engana quem pensa que 1 show por mes é pouco... Entre 07/03 e 19/04 não houve UM ÚNICO final de semana em que pude descansar com minha familia na praia ou deitar sem ter medo de ser feliz. A rotina de ensaios e reuniões leva a exaustão. O resultado disso foi uma coluna trincada por 3 semanas e o medo eterno de se abaixar ou levantar repentinamente.